outubro 31, 2006

OSHO


No ano passado descobri um autor, que me fascina! Osho.
Tenho estado a ler algumas obras suas e, garanto-vos: vale a pena! Ele é simplesmente provocante e profundo, espiritual e SÁBIO!
Osho nasceu em Kuchwada, Madhya Pradesh, Índia, a 11 de Dezembro de 1931. Filho de um modesto mercador de tecidos, viveu os primeiros anos de sua infância, ao lado dos avós – e desde cedo mostrou seu espírito crítico ao questionar os dogmas políticos, sociais e religiosos naquela sociedade. Graduou-se em Filosofia com honras de primeira classe e foi professor na Universidade de Jabalpur durante nove anos. Dedicou mais de 35 anos de sua vida à transmissão de ensinamentos sobre a recondução do homem e a sua liberdade espiritual. E milhares de discursos já foram publicados em cerca de 650 volumes, incluindo traduções em mais de 30 línguas.

“Osho é um dos mestres espirituais mais conhecidos e provocativos do século XX. Desde os anos 70, ele chamou a atenção dos jovens ocidentais que se interessavam por meditação e técnicas de transformação pessoal. Mais de uma década depois de sua morte, em 1990, seus ensinamentos continuam se difundindo pelo mundo, influenciando buscadores de todas as idades e países.”


Hoje, ao ler uma de suas obras, “O livro do Homem”, me achei tão próxima de sua lógica, tão identificada com sua forma de escrever! Num artigo, que fala de mendigar atenção, ele diz a certa altura:

“ (…) Esta é uma das fraquezas do ser humano, uma das debilidades profundamente enraizadas – pedir atenção. A razão de alguém pedir atenção é porque ele não conhece a si mesmo. É apenas através dos olhos de outra pessoa que ele pode enxergar seu próprio rosto; ele encontra sua personalidade na opinião dos outros – o que dizem importa imensamente. Se eles o negligenciam, o ignoram, ele se sente perdido. (…) Mesmo se as pessoas lhe condenarem, lhe criticarem, mesmo se elas estiverem contra você, isto é aceitável; pelo menos estão prestando atenção em você. (…)”
“Qual o significado de um homem fazer jejum? Mahatma Gandhi utilizou a estratégia sua vida inteira (…) por outro lado, não há nenhuma espiritualidade no jejum – milhões de pessoas morrem de inanição. Milhões de pessoas morrerão nos próximos dez, doze anos de fome. Ninguém lhes dará nenhuma honra ou respeito. Por quê? Porque a sua morte por inanição é inevitável. Elas não estão morrendo intencionalmente, mas porque não têm o que comer; elas simplesmente são pobres e estão morrendo por inanição.
Mas Mahatma Gandhi tinha tudo à sua disposição, embora ele vivesse como um homem pobre. Um de seus mais próximos seguidores, uma mulher muito inteligente, Sarojini Naidu, tem uma declaração arquivada, que para manter Gandhi pobre, eles tinham que gastar uma verdadeira fortuna. Não era uma simples pobreza, era um show montado.
Ele não beberia leite de búfalo porque é caro, rico em vitamina A e outras vitaminas. Ele não beberia leite de vaca porque também é caro e a população não podia adquirir. Ele tomaria apenas leite de cabra, porque é o mais barato e acessível às pessoas pobres. Mas você ficará surpreso: sua cabra era lavada duas vezes ao dia com sabonete Lux! A sua alimentação era tão rica que qualquer pessoa rica poderia sentir inveja.
É um mundo muito insano! A cabra era alimentada com leite de vaca, caju, maças, e outras frutas; ela não vivia no pasto. Sua refeição diária custava naquela época, dez rupias por dia; estas mesmas dez rupias eram suficientes para um homem viver um mês inteiro.”

Atenção lhe dá tremendo alimento para o ego.

1 comentário:

Palavras de Osho disse...

Que bom que você gostou de Osho. Se quiser ler diariamente um texto novo dele, é só passar no meu blog.

abs,