fevereiro 20, 2007

INVERSÃO

Vesti meu coração
de branco,
a alma de azul
e cortejei
o negro da noite.
Brinquei
de bandida,
de heroina
e de feliz.
Escondi o medo
entre o fumo
de um cigarro,
disfarcei a tristeza
num néctar qualquer
e colori a solidão
numa rouca bossa
que minha voz invadiu.
Meu branco
se carregou
de verde
no tom de azul
que a noite pariu,
a heroína
soltou a bandida
e juntas
se apossaram
da felicidade
que o medo
enfrentou,
e a tristeza
baniu!
Minha voz então,
virou refrão
da bossa invadida
pela rouquidão
de minha solidão!
Vera de Deus - 01/06/98

3 comentários:

kijack disse...

Vera!!!! sim senhora!!! parabens pa ess texto!! ...mute mute bnit i bom!!

velu disse...

Obrigada Kizo! É sempre um alento constatar que alguém gosta do que fazemos! Fico feliz que tenhas gostado.

carla disse...

Vera
Muito lindo.
Confirmo, uma vez mais, a pessoa sensivel és. Bijin.